Metas RH: veja 5 coisas que todo profissional da área precisa ficar de olho

Metas RH: veja 5 coisas que todo profissional da área precisa ficar de olho

Será mesmo que o setor de Recursos Humanos (RH) da sua empresa está devidamente preparado? Quais são as metas de RH que todo profissional da área precisa estar atento, até mesmo visando o benefício das refeições corporativas

Antes de mais nada, é importante explicarmos que as metas ou indicadores de performance são dados com circunstâncias específicas para mensurar o que ocorre na empresa. Mediante aos resultados, os gestores podem reestruturar o planejamento efetuado e proporcionar políticas motivacionais de verdade.

Neste artigo, observe a relevância de 5 metas de RH e possíveis desafios aos quais os profissionais da área precisam levar em consideração. Confira!

5 metas de RH para ficar de olho

1. Absenteísmo

No intuito de medir atrasos, faltas e afastamentos, o índice de absenteísmo é um dos mais relevantes do setor. Ele pode auxiliar a empresa a se antecipar a possíveis conflitos e fatores de desmotivação.

Independentemente da área, há um impacto grandioso nos resultados da empresa quando um colaborador não aparece, especialmente se suas funções interferem em vários departamentos.

Inclusive, muitos sumiços de trabalhadores podem esconder sinais graves, tais como depressão, ansiedade, abusos, síndrome de Burnout, entre outros aspectos que influenciam diretamente na vontade ir ao serviço. Por isso, essa é uma daquelas metas de RH que todo profissional da área precisa estar de olho.

Cálculo de absenteísmo

Quanto ao cálculo de absenteísmo, a fórmula é bem simples. Ela consiste em dividir as horas não trabalhadas pelas trabalhadas efetivamente, a fim de multiplicar por cem depois para obter o percentual.

Claro que a logística também pode influenciar em situações de absenteísmo. Por isso, uma das maiores mudanças na gestão de pessoas é transpor o local de trabalho para a modalidade de home office. Ou seja, uma extensão do escritório fora da empresa.

Essa tal liberdade dada ao colaborador pode se transformar em um profundo engajamento, desde que a pessoa tenha foco e saiba das suas responsabilidades corporativas.

2. Desempenho 

Será que os colaboradores da empresa têm apresentado um desempenho aceitável ou estão apenas esperando os dias passarem para sacar o salário? Essa é uma pergunta recorrente que muitos gestores fazem a si mesmos. Mas antes de encher as pessoas de cobranças, é preciso avaliar se a companhia dá o devido respaldo para que isso reflita em uma produtividade de primeira linha.

Como utilizar a eficiência como uma das metas de RH?

No conceito de eficiência, é preciso adotar práticas as quais os departamentos entreguem resultados verdadeiramente bons, só que com menos recursos possíveis. Todavia, torna-se fundamental realizar todo esse processo de uma forma que minimize os possíveis erros e evite demandas desnecessárias de retrabalho, algo que pode atrasar os prazos que a empresa deve cumprir com fornecedores e clientes.

A avaliação de desempenho deve levar em conta os fatores intrínsecos e extrínsecos inclusive. Pode acontecer, por exemplo, de um funcionário apresentar alergia a um alimento do refeitório e isso dificultar o ritmo de trabalho. Além disso, entre as metas de RH é preciso considerar o poder da automatização para aumentar a produtividade. Isso porque a tecnologia permite feedbacks mais ágeis e concisos.

3. Rotatividade

Quando uma empresa se vê na situação de contratar 200 pessoas em um determinado dia e reparar que daquela turma só sobrou meia dúzia de gatos pingados em menos de um mês, então é preciso reavaliar com urgência o que está dando de errado.

A evasão da equipe de trabalho pode representar diversos aspectos aos quais o RH deve identificar e criar planos de ação eficazes para diminuir os abandonos.

A rotatividade no ambiente corporativo, que também é chamada de turnover, tem a missão de averiguar a qualidade do clima organizacional e se há de fato uma política de retenção de talentos. Evidente que a rotatividade por conta de mudanças de estado, aposentadorias e férias são eventos previsíveis. No entanto, a preocupação mesmo é quando um patamar equilibrado chega ao extremo.

Pela simplicidade, esse é um dos indicadores mais utilizados na gestão de pessoas, até mesmo para reposicionar as estratégias de recrutamento e seleção, visando contratar pessoas que tenham as competências exatas para o cargo em questão. A fórmula é bem tranquila, pois apresenta a divisão entre o número de abandonos e o total de colaboradores no mesmo período, cuja multiplicação por cem mostra o percentual.

4. Satisfação

É imprescindível alertar que descobrir a satisfação dos colaboradores é um processo que vai muito além de estipular formulários, desenvolver métodos de avaliação ou dar notas aleatórias, mas sim proporcionar ações que motivem de fato. As metas de RH envolvem nesse quesito tudo o que for possível para modificar os padrões atuais. E para isso é preciso que as pessoas se sintam parte integrante da empresa.

Contudo, para que a satisfação se faça presente é necessário construir um programa de plano de carreira que valorize os conhecimentos adquiridos pelos funcionários, tornando possível o aprimoramento intelectual para alcançar vagas de liderança ou cargos de especialidade. Conhecer o nível de satisfação da equipe pode resultar em campanhas melhores de endomarketing e gerar o engajamento tão esperado.

Observar a vertente da satisfação é um trampolim para identificar se os colaboradores faltam por não terem o aparato necessário de motivação. Os dados coletados nas avaliações servem como métricas que impulsionam mudanças. Caso não haja satisfação das pessoas, até a política de benefícios precisa ser revista, especialmente aqueles relacionados à alimentação, à saúde e ao bem-estar.

5. Treinamentos

Até os indicadores de treinamentos são alvo das metas de RH, pois o tempo pode ser um dos fatores determinantes para remodelar o padrão tradicional que conhecemos para um formato bem digital. O recrutamento online é uma tendência que veio para ficar. Nesses casos, os treinamentos seguem o mesmo ritmo, sendo que a universidade corporativa é um programa ágil para aprimorar competências.

Use os treinamentos como uma das metas de RH

Os investimentos em treinamento têm relação direta com a produtividade das equipes. Isso porque com uma capacitação de primeira é possível proporcionar uma mão de obra cada vez mais qualificada, diversa e que supre as necessidades do negócio. Vale ressaltar que os treinamentos potencializam não somente a retenção de talentos, mas o aparecimento de lideranças que fomentam o empoderamento e a representatividade.

No que se refere às métricas, o RH costuma associar demais o cálculo do ROI (Return On Investment) com os recursos aplicados no recrutamento, pois estabelece um direcionamento das despesas e possíveis prejuízos evitados. Todavia, o foco no desenvolvimento humano é primordial para que as metas façam sentido. E a tecnologia é uma importante aliada para tornar os processos menos burocráticos.

Portanto, perceba que as metas de RH são bem tranquilas no que se refere à complexidade. No entanto, não deixam de trazer inúmeros feedbacks que tornam as estratégias mais elaboradas, eficientes e agregadoras. Se você curtiu este texto e quer repaginar alguns processos na empresa para oferecer benefícios de verdade, então não perca tempo e venha conversar com a gente para tirar suas dúvidas!

Fechar Menu